images

Estamos passando por um período complexo, de ressignificação e expansão. Portanto está ocorrendo um processo de mudanças em vários sentidos, e será necessário alinhamento de algumas questões em relação ao autismo.
Ainda não há previsão de quando a pandemia irá acabar, então vamos precisar nos adequar, desde o uso de máscaras e o distanciamento social até novos hábitos e relações diversas.
O mundo pós pandemia será diferente do que estamos acostumados, será preciso repensar novas habilidades a serem ensinadas, novas formas de relacionamentos, um mundo novo que nos espera.
A ABA ( Análise do comportamento Aplicada) nos mostra estratégias de ensino, a partir dos conceitos aplicados podemos propor programas de ensino para realizar as adequações necessárias no sentido do ensino de novas habilidades as crianças.
Tenho recebido muitos relatos das famílias de pessoas com autismo com diversas dificuldades e medos em relação ao que nos espera.
Vou disponibilizar dicas, lembrando são dicas de maneira geral, e cada caso precisa ser analisado individualmente.

1) Relembrando as dicas anteriores já passadas:

• Procure o terapeuta de seu filho para orientações específicas.
• Converse e faça vídeo chamadas com os professores, tanto da sala regular quando dos atendimentos especializados.
• Faça uma rotina visual de acordo com o nível da criança. Precisa da dica visual para que a pessoa com autismo se organize.
• Descreva uma rotina que vocês deem conta de realizar até o final. E caso aconteça imprevistos explicar e mostrar opções para tal imprevisto.
• Não é o momento de enfrentamentos. Coloque tarefas que a criança consiga e de conta de fazer para se sentir motivada neste período. Desafios são bem-vindos caso tenha a percepção que será possível a realização.
• Perceba as habilidades básicas, e comece a ensinar de maneira simples, como movimentos de imitação motora e vocal, contato visual, treinos motores. Elenque tais atividades e tarefas e faça as anotações dos ganhos para poder ter um parâmetro da situação.
• Caso aconteça crises, não realize a punição. Explique de maneira clara e natural, com calma o que pode e não pode fazer. Acalme a criança e chame a atenção dela para questões que são adequadas, não de “ibope” para ações inadequadas. Neste período é comum as crianças chamarem a atenção.

2) Pensando nos pós pandemia

• Converse com seu filho e já sinalize com as rotinas realizadas que haverá mudanças.
• Faça procedimento de uso de máscaras, uso do álcool gel, lavar as mãos com maior frequência. Este ensino precisa ser de maneira estruturada e aos poucos ir generalizando.
• Repense no processo de abraços e beijos. Nossas crianças vão precisar se habitar ao distanciamento social.
• Quando as aulas presenciais retomarem, é bem provável que muitas crianças irão precisar de uma readaptação. Será preciso paciência.
• Tenha paciência sempre, esta será a palavra mágica e o segredo do sucesso! Caso você não seja paciente, comece a se auto treinar e respire fundo.
• Trate sempre com amor. Lembrando que tudo que a humanidade está passando tem motivo, e o amor vence tudo.

Utilize as dicas acima, foram criadas a partir de queixas e relatos dos acontecimentos durante este período de quarentena e embasadas na ABA (análise do comportamento aplicada).
Lembrando sempre que cada caso precisa ser tratado de maneira individual e é importante o contato com os terapeutas de cada criança.
Estou à disposição para ajudar!!!!

Vanessa Falcão Barella Calixto ( 11 96911 0372)
Psicopedagoga. Analista do comportamento. Especialista em T.E.A., Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil e alfabetização. Formada em ABA pelo IBAC.
Mãe do Lucas Antônio, 16 anos diagnosticado com Transtorno Autista, Hemiparesia Cerebral e Apraxia da Fala.